• Dr Thiago Bandeca

Recomendações para o gerenciamento de IAM durante o COVID-19

No dia 31 de março foi publicado no European Heart Journal, o artigo do Hospital da Faculdade de Medicina de Peking Union (China)  para o tratamento do infarto agudo do miocárdio durante o surto de COVID-19. Desde dezembro de 2019, o surto de doença de coronavírus 2019 (COVID-19) aumentou para uma emergência de saúde pública de interesse internacional. Durante esse período, como equilibrar pacientes de emergência cardiovascular e o controle COVID-19 se tornou um desafio global. Para pacientes com infarto agudo do miocárdio (IAM) com COVID-19, deve-se garantir um ambiente médico seguro e eficiente em paralelo à terapia de reperfusão eficaz. No entanto, a maioria dos centros médicos não possui salas de cateterismo cardíaco e unidades de cuidados cardíacos (CCUs) profissionalmente protegidas para doenças infecciosas respiratórias. Nessas circunstâncias, a prevenção do COVID-19 precisa da coordenação dos administradores do hospital e da colaboração de equipes multidisciplinares, incluindo o departamento de cardiologia, departamento de emergência, departamento de infecções, departamento de pneumologia, departamento de radiologia e laboratório médico. Todos juntos, isso garante um fluxo de trabalho fluido e efetivo. Com base nas experiências do mundo real no gerenciamento da IAM durante o surto de COVID-19, o Hospital da Faculdade de Medicina de Peking Union propôs pela primeira vez as seguintes recomendações médicas na China. Essas recomendações foram verificadas pela prática de muitas instituições médicas chinesas e devem ser promovidas em todo o mundo para referência por pares. Todo o conteúdo desta recomendação está em estrita conformidade com os princípios de prevenção COVID-19 da Organização Mundial da Saúde e com os regulamentos de cada autoridade nacional de saúde.


A seguir, são pontos chave a serem lembrados neste artigo sobre recomendações para o manejo do infarto do miocárdio (IAM) durante o surto de COVID-19:

1. Para pacientes com IAM com COVID-19, deve se garantir um ambiente médico seguro e eficiente paralelamente à terapia de reperfusão eficaz.

2. Muitos centros médicos não possuem salas de cateterismo cardíaco protegidas profissionalmente e unidades de atendimento cardíaco para doenças infecciosas respiratórias.

3. Sob essas circunstâncias, a prevenção do COVID-19 precisa da coordenação dos administradores do hospital e da colaboração de equipes multidisciplinares, incluindo o departamento de cardiologia, departamento de emergência, departamento de infecções, departamento respiratório, departamento de radiologia e laboratório médico. No total, isso garante um fluxo de trabalho fluido e integrado.

4. Trombólise intravenosa de emergência é a primeira escolha para infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento do segmento ST (IAMEST).

5. Para pacientes com IAMEST com COVID-19 confirmado, o isolamento rigoroso deve começar imediatamente e as contra indicações trombolíticas devem ser avaliadas. Pacientes com contra indicações trombolíticas devem ser transferidos para a instituição médica infecciosa local responsável imediatamente, para tratamento adicional, devem ser levados através do meio de transporte de primeiros socorros designado pelo governo. Pacientes sem contra indicação trombolítica devem primeiro iniciar a trombólise intravenosa e depois serem transferidos para a instituição médica local designada de doença infecciosa para tratamento adicional.

6. Se o COVID-19 puder ser excluído pelo grupo de especialistas em menos de 1 hora e a possibilidade de ter o COVID-19 for clinicamente pequena, os cardiologistas devem avaliar os dois esquemas a seguir:

  • Monitore de perto; realize intervenção coronária de emergência imediatamente após a eliminação do COVID-19.

  • Prossiga com a trombólise no local, tome a decisão do tratamento após uma análise abrangente da relação benefício / risco. Durante a trombólise, revise o eletrocardiograma, o ecocardiograma a beira leito e a radiografia de tórax. Após a trombólise, verifique o estado de recanalização da perfusão do miocárdio e realize a tomografia computadorizada do tórax  (TC) imediatamente.

7. Para IAM sem supradesnivelamento do segmento ST (NSTEMI), a estratégia de tratamento deve basear-se na estratificação de risco GRACE enquanto aguarda os resultados da nova detecção de ácido nucleico do coronavirus.

8. Pacientes com COVID-19 confirmados devem ser transferidos imediatamente para a instituição médica designada para tratamento médico ideal.

9. Se o COVID-19 não puder ser excluído pela TC de tórax, o tratamento médico de rotina do NSTEMI deve ser administrado e a estratificação de risco deve ser realizada enquanto se aguarda os resultados da detecção de ácido nucleico.

10. Para pacientes com NSTEMI excluídos do COVID-19, estratégias de intervenção precoces ou com tempo limitado devem ser selecionados imediatamente, de acordo com a estratificação de risco da síndrome coronariana aguda.

Figura 1 Manejo de pacientes suspeitos de IAM e potencial COVID-19



Fonte:

Recommendations from the Peking Union Medical College Hospital for the management of acute myocardial infarction during the COVID-19 outbreak

Recommendations for Management of Acute MI During COVID-19


Palavras-chave: Síndrome Coronariana Aguda, Intervenções Cardiológicas, Cateterismo Cardíaco, Coronavírus, Infecções por Coronavírus, COVID-19, Ecocardiografia, Eletrocardiografia, Trombólise Mecânica, Infarto do Miocárdio, Prevenção Primária, Radiografia, Reperfusão, Avaliação de Risco, Síndrome Respiratória Aguda Grave, Tomografia, X- Ray Computed


Keywords: Acute Coronary Syndrome, Cardiology Interventions, Cardiac Catheterization, Coronavirus, Coronavirus Infections, COVID-19, Echocardiography, Electrocardiography, Mechanical Thrombolysis, Myocardial Infarction, Primary Prevention, Radiography, Reperfusion, Risk Assessment, Severe Acute Respiratory Syndrome, Tomography, X-Ray Computed

1 visualização

Siga

Consultório Dr Thiago Bandeca

Uniq Vergueiro - Av. Senador César Vergueiro, 480, sala 31, Ribeirão Preto - SP, CEP 14020-500 Brasil

©2020 Bandeca Serviços Médicos by Evelyn