Siga

©2020 by Bandeca Serviços Médicos

Buscar
  • Dr Thiago Bandeca

Pesquisadores identificam nova proteína como contribuinte para morte súbita cardíaca

Um estudo em pequena escala publicado no Circulation em 3 de março revelou um potencial novo culpado por morte súbita cardíaca em pacientes com cardiomiopatia arritmogênica do ventrículo direito (ARVC): integrina β1D.



A integrina β1D, que parece regular os níveis de cálcio nas células musculares do coração, não era uma preocupação para Long-Sheng Song, MD, e colegas quando eles lançaram seu estudo. A equipe estava estudando o coração explantado de quatro pacientes com ARVC, na tentativa de entender melhor como a condição quebra a função cardíaca.


O ARVC é uma doença genética rara que desencadeia arritmias e, embora aumente o risco de morte cardíaca súbita se ela estiver emocionalmente excitada ou estressada fisicamente, como um todo, ainda não sabemos muito sobre isso. A condição parece afetar cerca de 1 em 1.000 a 1 em 1.250 pessoas, muitas das quais são jovens atletas saudáveis ​​que morrem repentinamente após não apresentarem sinais ou sintomas de DCV. No momento, o tratamento para ARVC envolve medicação ou um cardioversor-desfibrilador implantável.


Song, professor de medicina interna da Universidade de Iowa Carver College of Medicine, e co-autores compararam as proteínas celulares nos corações dos quatro pacientes transplantados com proteínas em corações saudáveis, descobrindo no processo que os cardiomiócitos do transplante observaram uma significativa redução na integrina β1D. Os pesquisadores disseram que a diferença não havia sido observada em outros tipos de doenças cardíacas, incluindo cardiomiopatia hipertrófica e cardiopatia isquêmica.


Song et al. camundongos geneticamente modificados não possuem integrina β1D em suas células musculares cardíacas e descobriram que, embora parecessem ter função cardíaca normal em repouso, sob estresse ou esforço, eram mais propensos a desenvolver arritmias.


"Nossas descobertas sugerem que impedir a perda de integrina β1D usando drogas novas ou existentes para inibir essa via de sinalização pode fornecer uma maneira de tratar ARVC", disse Song em um comunicado, observando que uma escassez de pesquisas sobre ARVC significa que os pacientes não têm acesso a um tratamento eficaz ainda.

“Our findings suggest that preventing the loss of integrin β1D using existing or new drugs to inhibit this signaling pathway might provide a way to treat ARVC,”—Long-Sheng Song, MD


A equipe disse que a perda da integrina β1D parecia impedir que as células cardíacas do rato controlassem adequadamente os níveis de cálcio necessários para manter um batimento cardíaco saudável. O aumento do estresse ou da freqüência cardíaca apenas piorou o controle do cálcio, sugerindo que, ao estabilizar outra proteína do coração conhecida como RyR2, a integrina β1D ajuda a regular a sinalização normal de cálcio no coração.


Song e colegas disseram que seus próximos passos incluirão o uso do modelo de mouse para identificar compostos que têm como alvo a via de sinalização e alteram os níveis de integrina β1D e o controle de cálcio.


"Identificamos uma nova via nas células cardíacas que explica como as arritmias ocorrem em pacientes com ARVC", disse Song. "Esperamos que agora sejam desenvolvidos novos medicamentos direcionados a esse caminho, o que pode nos ajudar a tratar essa doença progressiva e devastadora com mais eficácia".


6 visualizações
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now