• Dr Thiago Bandeca

Dormir menos de 6 horas de sono pode ser mortal para pacientes cardíacos


Dormir menos de seis horas por noite pode aumentar significativamente o risco de câncer ou morte precoce de uma pessoa, se ela for de meia-idade e tiver pressão alta, diabetes tipo 2, doença cardíaca ou histórico de derrame, de acordo com trabalho publicado no Journal of American Heart Association.

Julio Fernandez-Mendoza, PhD, professor associado da Faculdade de Medicina da Pensilvânia e psicólogo do sono no Centro de Tratamento de Sono e Pesquisa do Centro Médico Milton S. Hershey, da Penn State Health, e colegas estudaram mais de 1.600 adultos de 20 a 74 anos em um esforço para esclarecer a relação entre a duração do sono e a saúde do coração. Os pacientes foram retirados da coorte de adultos da Penn State e categorizados em grupos com base em seus diagnósticos: pressão alta no estágio 2 ou diabetes tipo 2 e doenças cardíacas ou derrame.

Os pacientes foram estudados no laboratório do sono da Penn State por uma noite entre 1991 e 1998, com acompanhamento até 2016. Durante esse período, Fernandez-Mendoza e co-autores relataram 512 pessoas morreram - um terço por doença cardíaca ou derrame e um quarto por câncer.

Os participantes com pressão alta ou diabetes que dormiam menos de seis horas por noite viram duas vezes mais chances de morrer de DCV ou derrame; aqueles com doença cardíaca ou derrame que dormiam menos de seis horas tinham três vezes mais risco de morrer de câncer.

"Nosso estudo sugere que alcançar o sono normal pode ser protetor para algumas pessoas com essas condições e riscos à saúde", disse Fernandez-Mendoza em um comunicado. "No entanto, mais pesquisas são necessárias para examinar se a melhoria e o aumento do sono por meio de terapias médicas ou comportamentais podem reduzir o risco de morte precoce".

Embora as pessoas com pressão alta ou diabetes tenham duas vezes mais chances de morrer de DCV, isso não é necessariamente um destino que eles precisam aceitar uma vez que o estudo detectou que se os mesmos pacientes dormiram por mais de seis horas, seu risco aumentado de DCV é insignificante.

Fernandez-Mendoza disse que o estudo de sua equipe é limitado, pois seus dados se baseiam no sono de uma noite em laboratório e podem ser tendenciosos, pois os pacientes costumam dormir mal a primeira noite em um novo ambiente.

"A curta duração do sono deve ser incluída como um fator de risco útil para prever os resultados a longo prazo de pessoas com essas condições de saúde e como alvo de práticas clínicas primárias e especializadas", disse ele. "Gostaria de ver mudanças nas políticas para que as consultas e os estudos sobre sono se tornem parte mais integrante de nossos sistemas de saúde. Uma melhor identificação de pessoas com problemas específicos de sono poderia levar a uma melhor prevenção e abordagens mais completas de tratamento, melhores resultados a longo prazo e menos uso de serviços de saúde. ”

Fonte:

Interplay of Objective Sleep Duration and Cardiovascular and Cerebrovascular Diseases on Cause‐Specific Mortality

#EstilodeVida #Cardiologia #Fatoresderisco #Doençacardíaca #Saúdedocoração

15 visualizações

Siga

Consultório Dr Thiago Bandeca

Uniq Vergueiro - Av. Senador César Vergueiro, 480, sala 31, Ribeirão Preto - SP, CEP 14020-500 Brasil

©2020 Bandeca Serviços Médicos by Evelyn