• Dr Thiago Bandeca

Dislipidemia em Adolescentes Brasileiros


Um estudo recente realizado no Rio de Janeiro constatou que muitos adolescentes brasileiros estão acima do peso e com níveis elevados de triglicerídeos no sangue.


Foram avaliados 239 adolescentes de 12 a 18 anos de ambos os sexos. Avaliado o perfil lipídico e sua associação com os indicadores antropométricos: índice de massa corporal e circunferência da cintura. Para as análises estatísticas foi utilizado nível de significância de 5%. Os adolescentes com obesidade apresentaram valores médios de HDL-colesterol significativamente menores (44,7 mg/dl vs. 53,9 mg/dl; p < 0,001) e triglicerídeos maiores (109,6 mg/dl vs. 87,3 mg/dl; p = 0,01). As alterações com maior prevalência foram HDL-colesterol baixo (50,6%), hipercolesterolemia (35,1%) e hipertrigliceridemia (18,4%).

Foi possível observar associação negativa do HDL-colesterol com o índice de massa corporal e associação positiva dos triglicerídeos com o índice de massa corporal, mesmo após ajuste para gênero e cor da pele.

Exposição precoce à obesidade favorece maiores riscos de fatores cardiovasculares como dislipidemias. O controle destes fatores deve receber atenção, sendo importante o diagnóstico precoce da dislipidemia principalmente se associada a outro risco cardiovascular, para desenvolvimento de estratégias de intervenção.

Saiba um pouco mais sobre Dislipidemias

A dislipidemia é caracterizada pela presença de níveis elevados de lipídios (gorduras) no sangue. Colesterol e triglicérides estão incluídos nessas gorduras, que são importantes para que o corpo funcione. No entanto, quando em excesso, colocam as pessoas em alto risco de infarto e derrame.

Incidência: muito comum

Casos por ano: mais de 2 milhões (Brasil)

A dislipidemia aumenta a chance de entupimento das artérias (aterosclerose) e de ataques cardíacos, acidente vascular cerebral ou outros problemas circulatórios, especialmente em fumantes. Em adultos, geralmente é relacionada a obesidade, alimentação inadequada e falta de exercícios.

A dislipidemia geralmente não causa sintomas.

Uma dieta saudável, exercícios físicos e medicamentos hipolipemiantes podem ajudar a prevenir complicações.

Existem 2 tipos de dislipidemias, as primárias e as secundárias. As primárias são de causa genética. As secundárias podem ser decorrentes de outras doenças - o diabetes descompensado, por exemplo - e também podem ser originadas pelo uso de medicações – diuréticos, betabloqueadores e corticoides. Situações como o alcoolismo e uso de altas doses de anabolizantes também podem alterar o perfil lipídico.

A obesidade tem influência significativa no metabolismo lipídico e deve ser encarada como importante fator na sua interpretação e tratamento.

Veja abaixo a tabela 1 do artigo, expõe os achados: Média e desvio padrão das características antropométricas e do perfil lipídico da amostra total e estratificado por gênero

Palavras-chaves: Hiperlipidemias; Adolescente; Obesidade; Sedentarismo; Antropometria; Doenças Cardiovasculares; Fatores de Risco.

Dislipidemia em Adolescentes Atendidos em um Hospital Universitário no Rio de Janeiro/Brasil: Prevalência e Associação

Dyslipidemia in Adolescents Seen in a University Hospital in the city of Rio de Janeiro/Brazil: Prevalence and Association

Autoria: Nathalia Pereira Vizentin, Paula Mendonça Santos Cardoso, Camila Aparecida Gomes Maia, Isabela Perez Alves, Gabriel Lunardi Aranha, Denise Tavares Giannini

Arq Bras Cardiol. 2019; 112(2):147-151

SBC Cardiol Revista - Fevereiro, 2019 | Vol. 112 Nº 2

Artigo: http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/abc.20180254

#Sedentarismo #Hiperlipidemias #Adolescente #Obesidade #Doençacardíaca #Fatoresderisco #Dislipidemias

10 visualizações

Siga

Consultório Dr Thiago Bandeca

Uniq Vergueiro - Av. Senador César Vergueiro, 480, sala 31, Ribeirão Preto - SP, CEP 14020-500 Brasil

©2020 Bandeca Serviços Médicos by Evelyn