©2020 by Bandeca Serviços Médicos

Siga

Açúcar (glicose) no sangue: como afeta seu corpo

June 3, 2018

Açúcar elevado no sangue pode ser um sinal de diabetes ou "pré-diabetes". As drogas que o tratam às vezes também causam baixo nível de açúcar no sangue. O objetivo aqui é guiá-lo pelos efeitos de ambos.

Veja os sinais e sintomas comuns quando os níveis de glicose estão altos ou baixos.

 

Alto nível de Glicose - Açúcar no sangue:

 

Faz você urinar mais

Seus rins têm que trabalhar duro para processar todo aquele açúcar extra em seu sangue. Quando eles não conseguem acompanhar, seu corpo se livra dele, junto com a água que seu corpo precisa.

 

Faz você sentir mais sede

Para se livrar desse açúcar extra, seu corpo extrai água de seus próprios tecidos. Como você precisa desse fluido para produzir energia, transferir nutrientes e se livrar do "lixo", um interruptor aparece em seu cérebro para lhe dizer que está com sede, para que você possa beber mais.

 

Sensação de boca seca

Sua boca pode ficar seca e rachada nos cantos enquanto seu corpo retira fluido dela. Menos saliva e mais açúcar no sangue tornam a infecção mais provável. Suas gengivas podem inchar e manchas brancas podem crescer em sua língua e dentro de suas bochechas (seu médico vai chamar isso de candidíase oral). Pode ajudar a beber mais água ou a mascar chiclete sem açúcar.

 

Aparecem problemas de pele

Seu corpo toma água de todo o corpo para se livrar do açúcar extra no sangue. Isso pode causar ressecamento, coceira, pele rachada, especialmente nas pernas, cotovelos, pés e mãos. Com o tempo, altos níveis de glicose também podem danificar os nervos. Isso é chamado de neuropatia diabética. Pode tornar mais difícil para você sentir cortes, feridas ou infecções. Sem tratamento, eles podem se tornar problemas maiores, como a perda de um dedo do pé, pé ou parte de sua perna.

 

Problemas de visão

Seu corpo pode puxar fluido das lentes dos olhos, o que dificulta a concentração. E açúcar elevado no sangue pode danificar os vasos sanguíneos na parte de trás do olho (retina). Isso pode causar perda de visão a longo prazo e até mesmo cegueira.

 

Fadiga

Quando você tem diabetes tipo 2 e seu nível de açúcar no sangue é alto demais, você se torna menos sensível à insulina, o que ajuda a movimentar energia para as células. A falta de combustível pode cansar você. Você pode ter o mesmo cansaço com diabetes tipo 1, porque seu corpo não consegue produzir sua própria insulina. Se você não o tratar corretamente, seus níveis podem permanecer altos o tempo todo. Seu médico pode ajudar prescrevendo medicação e sugerindo mudanças no estilo de vida.

 

Problemas Digestivos

Se o seu nível de açúcar no sangue estiver alto por muito tempo, pode danificar o nervo vago, o que ajuda a mover a comida através do estômago e dos intestinos. Você pode perder peso porque não está com tanta fome. Você pode ter problemas com refluxo ácido, cãibras, vômitos e constipação grave.

 

Baixo nível de Glicose - Açúcar no sangue:

 

Fadiga

Se você tem diabetes, a insulina é uma maneira de reduzir o açúcar no sangue quando fica alto. Mas se você tomar muito, pode remover tanta glicose tão rapidamente que seu corpo não pode substituí-lo rápido o suficiente. Isso deixa você cansado. Outras doenças e medicamentos também podem perturbar esse ciclo e "esvaziar seu tanque".

 

Pulsação estranha

Os hormônios que ajudam a elevar o nível de açúcar no sangue quando ele é muito baixo também podem aumentar sua frequência cardíaca e fazer com que pareça que ela não funciona. (Seu médico vai chamar isso de arritmia.) A queda na glicose na maioria das vezes acontece como um efeito colateral dos medicamentos usados ​​para tratar o diabetes.

 

Tremor

A baixa glicose pode desestabilizar seu sistema nervoso central, que controla como você se movimenta. Quando isso acontece, seu corpo libera hormônios, como a adrenalina, para ajudar a elevar seus níveis. Mas essas mesmas substâncias também podem fazer suas mãos e outras partes tremerem.

 

Suor

Os hormônios que seu corpo libera para elevar seu nível de açúcar no sangue quando fica muito baixo também fazem você suar muito. É uma das primeiras coisas que você percebe quando seus níveis de glicose caem demais. Seu médico pode ajudá-lo a monitorar seus níveis e tentar mantê-los em uma faixa saudável com medicação, exercícios e hábitos alimentares.

 

Fome

A fome súbita e intensa, mesmo depois de você ter comido, pode ser um sinal de que seu corpo não converte alimentos em açúcar no sangue da maneira correta. Doenças ou certas drogas podem causar isso também. Se você tem diabetes, seu médico pode ajustar sua medicação, que geralmente é a fonte do problema.

 

Náusea

Na verdade, não é baixo teor de açúcar no sangue por si só. Quando seus níveis ficarem muito altos ou muito baixos, isso pode causar um efeito rebote. Seu açúcar no sangue salta de um extremo ao outro, confunde o sistema digestivo do seu corpo e faz você se sentir mal do estômago.

 

Tontura

Suas células do cérebro precisam de glicose para funcionar corretamente. Quando eles não têm o suficiente, você pode começar a se sentir cansado, fraco e tonto. Você também pode ter uma dor de cabeça.

 

Confusão

Quando seu nível de açúcar no sangue fica muito baixo (hipoglicemia), você começa a perder a direção. Você pode ofuscar seu discurso ou esquecer onde você está. Às vezes acontece tão de repente que você nem percebe que está agindo de forma estranha. Em casos graves, você pode ter uma convulsão ou entrar em coma.

 

Visão geral do diabetes

 

Diabetes é uma série de doenças que envolvem problemas com o hormônio insulina. Normalmente, o pâncreas (um órgão atrás do estômago) libera insulina para ajudar seu corpo a armazenar e usar o açúcar e a gordura dos alimentos que você ingere. Diabetes pode ocorrer quando o pâncreas produz muito pouca ou nenhuma insulina, ou quando o corpo não responde adequadamente à insulina. Até agora, não há cura. Pessoas com diabetes precisam gerenciar sua doença para se manterem saudáveis.

Aproveito para esclarecer alguns pontos sobre pré diabetes com o texto bem elaborado do Dr. Matheus Dornelles Severo para a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD)

 

Perguntas e respostas sobre pré-diabetes

 

O que é pré-diabetes?

Pré-diabetes não é propriamente um diagnóstico, mas sim um estado de risco aumentado para o aparecimento de diabetes mellitus tipo 2. Pessoas com níveis de elevados de glicose (açúcar no sangue), obesidade e forte história étnica ou familiar de diabetes, podem ser consideradas de risco.

 

Quais fatores indicam que uma pessoa é pré-diabética?

Uma pessoa é considerada de alto risco para progressão ao diabetes quando apresenta alterações no metabolismo da glicose, isto é, níveis elevados de glicose de jejum ou hemoglobina glicada, além tolerância diminuída à glicose. Segundo a ADA (American Diabetes Association), valores de glicemia de jejum entre 100 e 125 mg/dL, glicemia medida 2 horas após a ingestão de 75 gramas de glicose anidra entre 140 e 199 mg/dL e hemoglobina glicada entre 5,7 e 6,4%, aumentam significativamente o risco de progressão para diabetes, principalmente pessoas obesas, sedentárias e com história familiar positiva.

 

Esse diagnóstico condena uma pessoa a ser diabética ou ela ainda pode evitar de vir a se tornar uma pessoa diabética?

Quando atravessamos a rua, estamos nos expondo ao risco de sermos atropelados. Quando olhamos para os dois lados, atravessamos sobre a faixa e com o sinal vermelho para os automóveis, o risco é mínimo, diferente de quando não tomamos estes cuidados. A maioria das pessoa em risco de progressão ao diabetes será diabética se não tomar os devidos cuidados. Contudo, como nem todos os fatores de risco são modificáveis, como a carga genética e a idade, por exemplo, algumas pessoas acabarão diabéticas mesmo tomando os devidos cuidados. É função do médico endocrinologista estimar estes riscos para adotar a melhor estratégia de “atravessar a rua”.

 

Se é possível, a partir deste diagnóstico, evitar o diabetes, quais as mudanças de hábitos e rotinas que essa pessoa deve adotar?

Em estudos clínicos, três estratégias se mostraram eficientes em prevenir o diabetes em pacientes de alto risco: perda de peso, atividade física e tratamento farmacológico.

A mudança do estilo de vida, com alimentação adequada, atividade física regular e consequente perda de peso, é capaz de reduzir o risco em cerca de 30 a 40%. Já o uso da metformina é capaz de reduzir o risco em cerca de 20%.

 

Existem dados ou informações sobre a quantidade de pessoas portadoras de pré-diabetes? Quantas evoluem para diabetes? Quantas “regridem”?

No Brasil, em 2012, eram 12 milhões de pessoas diabéticas. Considerando que para cada paciente diabético, existam pelos menos 3 pacientes em risco, a estimativa é de mais de 35 milhões de brasileiros com pré-diabetes. Aproximadamente 25% dessas pessoas se tornarão diabéticas nos próximos 3 a 5 anos e a não progressão vai depender principalmente da capacidade de cada um de mudar seus hábitos. Atividade física regular e uma dieta rica em peixes, azeite de oliva, derivados lácteos e produtos integrais, além de acompanhamento médico apropriado, são fundamentais.

 

 

Please reload

Our Recent Posts

Please reload

Archive

Please reload

Tags

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now